Roberto Santos responde: Fui reprovada na entrevista individual, mas surgiu uma nova chance. O que fazer?

“Há uns 7 meses participei de uma seleção interna na empresa em que trabalho, cheguei até a etapa final, porém não fui aprovada na entrevista individual. Agora terá outra seleção para uma outra vaga no mesmo cargo, estou com receio de participar, o que fazer?”

Resposta: O slogan de uma rádio de notícias que costumo escutar é “em 20 minutos tudo pode mudar” e eu complementaria em resposta a você… “imagine em sete meses!” Então, começando com uma resposta direta, você não deve ter receio de participar novamente desse processo, salvo se da primeira vez foi dado um feedback direto a você sobre algo que lhe faltava – conhecimentos ou habilidades – e você não buscou adquiri-los ou desenvolvê-los, o que assumo que não tenha sido o caso.

Excetuando-se esta hipótese, em sete meses, o cargo e seus requisitos podem ter mudado, as pessoas responsáveis pela seleção podem ter sido substituídas, ou pelo menos, com certeza você mudou – tem mais sete meses de experiência, de vivência na empresa, de maturidade e por que não testá-lo? Melhor ser testada novamente e não ser aprovada, do que ficar com aquela dúvida do “… e se eu tivesse participado e passado…”.

O fato de ter chegado à etapa final, me indica que o processo constou de várias fases e, talvez, a decisão final entre você e uma ou duas outras finalistas acabou tendo como critérios aspectos mais subjetivos do que objetivos – aquela história de “química pessoal” e essa poderá mudar se os personagens do processo forem outros, ou a experiência nos sete meses com a pessoa escolhida então, se mostrou enganada, logo suas chances podem ser maiores.

A verdade segura é que só haverá uma maneira de saber e esta você já sabe – inscreva-se e sendo ou não sendo aprovada, peça um feedback para seu desenvolvimento futuro, este é um direito seu e exercê-lo valoriza-a como profissional que pensa em seu autodesenvolvimento.