por Tomas Chamorro-Premuzic

Há poucas ocasiões em que ter inteligência emocional alta vêm tanto a calhar quanto na hora de discordar do chefe. Mas não é a única. Muitos de nós até mesmo trocaríamos um pouco de QI por inteligência emocional. De fato, muitas pessoas com o quociente de inteligência muito alto, mas com pouca inteligência emocional estão mais propensas a aborrecerem seus chefes, focando no aspecto lógico de uma questão e ignorando as dimensões sociais e emocionais.

Nem sempre ter razão é estar certo

A abordagem mais eficaz de discordar do seu gestor deve ser feita com base na inteligência emocional, em vez de QI. Não é surpreendente que pesquisas revelem que os funcionários com maior quociente de inteligência emocional são mais gratificantes de se lidar e promovidos mais frequentemente.  Em um mundo que ainda baseia tantas decisões cruciais para a carreira em uma visão subjetiva do seu chefe, a capacidade de ser apreciado muitas vezes supera o critério da habilidade e a ética no trabalho.

Pessoas com alta inteligência emocional geralmente são mais bem-sucedidas e evitam desentendimentos em primeiro lugar, inclusive com seus chefes. A capacidade de concordar é uma das principais facetas da inteligência emocional, então pessoas com essa característica bem desenvolvida tendem a ser mais diplomáticas, socialmente sensíveis e avessas a conflitos, mesmo que isso exija algum grau de falsidade.

Essa é provavelmente a lição mais importante e que foi bem compreendida pelo grande Dale Carnegie, que mostrou que a melhor maneira de ganhar uma discussão é evitá-la. “Se você perder, você perde. E se você ganhar, você perde”. Por que ele estava certo? Porque vencer uma discussão geralmente significa irritar a pessoa com quem você discutiu.

Manter a calma (ou pelo menos, fingir um pouco)

Não há nada estratégico que as pessoas com alta inteligência emocional fazem para evitar discussões; geralmente é uma questão de temperamento. Esses indivíduos costumam ter a cabeça mais fria, são fleumáticos e educados, e assim sua tolerância à provocação é maior – incluindo um chefe difícil.

Se você quer desenvolver essas características, deve identificar seus gatilhos de estresse e inibir suas reações mais instintivas o máximo possível. Por exemplo: quando você recebe um e-mail irritante do seu chefe a melhor coisa a fazer é ignorar e responder algumas horas depois. Ou se o seu chefe diz alguma coisa em uma reunião que o(a) irrita, geralmente, é melhor apenas fingir que não aconteceu, especialmente se houver outras pessoas no recinto.

Se estas atitudes falharem, há algumas outras que podem ajudar nesse processo:

  1. Dê mais foco no Estilo do que no Conteúdo

Em qualquer conversa, especialmente em discussões ou desacordos, a maneira com que você transmite a ideia é mais importante do que a ideia em si. Pessoas com alta inteligência emocional são capazes de transmitir uma diferença de opinião de maneira calma e equilibrada.

Para isso, uma boa estratégia é começar alinhando pontos em que você e seu chefe concordam e então, gentilmente, entrar na questão onde há desacordo. Muitas vezes isso pode ser feito de maneira tão sutil que os gestores não percebem a discordância. De qualquer forma, essa abordagem é muito útil para testar e avaliar se é o melhor momento para expressar suas opiniões.

  1. Mantenha a humildade

Embora líderes arrogantes nos deixem impressionados, muitas vezes preferimos lidar diretamente com pessoas mais humildes. Isso é particularmente verdadeiro quando estamos no meio de uma discussão. Pessoas com alta inteligência emocional são capazes de apresentar suas opiniões de maneira modesta. Dessa maneira, elas deixam claro que não estão tentando desrespeitar ou questionar seus chefes, estão apenas compartilhando uma preocupação.

Pratique frases que mostram respeito sem resvalar em conformismo subserviente: “Eu posso estar errado aqui, mas…” ou “Me desculpe levantar este ponto, mas…”. O objetivo é ser educado, parecer genuinamente respeitoso, e deixar claro que você não pretende nenhuma crítica com a preocupação levantada.

Se o seu chefe tem uma inteligência emocional muito baixa, mesmo esse comportamento não vai poupá-lo. Mas mesmo assim, um pouco de humildade tem mais chance de sucesso do que uma abordagem arrogante. Você não vai querer dizer de cara que ele está errado ou sugerir que você sabe mais do assunto do que ele – mesmo se for o caso. Ter tato na discordância frequentemente significa ser humilde.

  1. Nunca discuta em público

Pessoas com alta inteligência emocional evitam desentendimentos maiores com seus chefes na frente de outras pessoas. Se você não concorda com seu chefe, faça isso em particular, principalmente se seu argumento for muito bom. Poucas coisas vão desmoralizar mais seus líderes do que ter a autoridade desafiada na frente dos seus subordinados.

Da mesma forma, é preferível ter uma conversa pessoalmente ou por telefone do que uma discussão por e-mail, uma vez que e-mails nunca morrem – e eles podem ser compartilhados com qualquer um. Mesmo se seu chefe prefira se comunicar por e-mail – e você também prefira – é muito importante priorizar a privacidade em assuntos sensíveis.

  1. Esteja preparado para aceitar uma derrota, mesmo estando certo

Pessoas com alta inteligência emocional percebem quando atingem seus limites de persuasão e desistem antes que a situação se agrave. Isso não significa recuar toda vez que as coisas ficam mais difíceis, mas sim reconhecer quando essa conversa em particular não é a melhor maneira de conseguir o que você pretende.

Se o seu chefe parece imune aos seus argumentos, a melhor coisa a fazer é fingir que concorda com ele(a)  e considerar maneiras mais produtivas para expressar suas preocupações. O lado negativo disso é sua inabilidade para persuadir seu chefe poderá resultar em uma má decisão que você queria evitar, mas pelo menos você tentou.

No geral, é útil transparecer que você se importa menos com a discussão e preocupa-se com o seu chefe. É como discordar de alguém que está entrevistando você para um emprego – você quer expor suas ideias, mas está mais comprometido com as grandes coisas que poderão realizar juntos.

Com Fast Company