Entenda por que os melhores líderes são chatos

As empresas costumam observar a visão e a autoconfiança de um candidato na hora de escolher seus líderes.

Apesar do vasto conhecimento – inclusive científico – do que faz um bom gestor, muitos são promovidos a posições de liderança apenas com base na expertise técnica demonstrada no passado ou em sua performance anterior.

Esse problema seria resolvido se pudéssemos avaliar o potencial gerencial do profissional de maneira mais efetiva.

O potencial gerencial de um líder, muitas vezes, o faz ser considerado um “chato”, entenda por que isso acontece e quais são as características mais comuns dos melhores líderes.

O que é ser chato?

Na psicologia, o termo técnico para “chato” é “maturidade emocional”. É, principalmente, ser emocionalmente estável e consciente, algo geralmente alcançado quando nos tornamos mais maduros. Apesar de tender a ter uma conotação negativa na maior parte do mundo ocidental, essa característica é claramente útil quando se trata de potencial gerencial.

De técnicas a pessoas

Ao mudar de colaborador individual para gestor, o profissional deve mudar seu foco de resolver problemas técnicos para resolver os problemas das pessoas. Para isso, é preciso ter capacidade de delegar para então se dedicar aos membros do time.

Isso torna o emocional uma qualidade chave entre os gestores. Assim como os melhores profissionais são os que conseguem se conectar emocionalmente com os clientes, os melhores líderes podem se conectar emocionalmente com seus subordinados.

Isso depende diretamente de ter interações de qualidade com a equipe e, muitas vezes, para alcançar isso, é preciso ser calmo e “cabeça fria”, ser capaz de demonstrar emoções estratégicas – o que envolve fingir na maior parte do tempo – e entender que nem tudo se trata de você.

Ter inteligência emocional e se conectar emocionalmente, nesse caso, não significa ser dominado pelas emoções e deixar vazar indicadores de comunicação não verbal; se trata de ter baixa reatividade emocional e ser tão inabalável quanto a Rainha da Inglaterra.

O valor da integridade

O que as pessoas mais valorizam em um líder é a sua integridade, melhor definida como uma atribuição feita por meio de outros profissionais relacionados a ele. A melhor maneira de prever comportamentos antiéticos e improdutivos é perguntando aos subordinados qual a probabilidade de seu gestor arruiná-los.

E, mais uma vez, são os “chatos” que levam o prêmio: quanto menos disposições disfuncionais ou traços de personalidade do lado escuro eles mostram, e mais previsíveis, confiáveis e, sim, chatos, mais alta é classificada sua integridade.