Empreendedores devem estudar para aperfeiçoar a liderança de RH

De acordo com pesquisa divulgada pela Unitfour, o Brasil teve um significativo aumento do empreendedorismo em 2016: foram abertas 20% mais empresas este ano em relação ao anterior, nos segmentos EIRELI (Empresa Individual de Responsabilidade Limitada), EPP (Empresas Pequeno Porte), LTDA (Sociedade limitada), ME (Microempresa), MEI (Microempreendedor individual), e a S.A (Sociedade Anônima).

Isso significa que muitos profissionais, que antes eram empregados, passaram a ser empreendedores e, consequentemente, líderes de empresas e líderes de equipes de trabalho.

Para se firmar como um empreendedor de sucesso, a experiência adquirida em outras empresas que trabalhou e tudo o que estudou em sua área de atuação são importantes. Porém, o sucesso de uma gestão empreendedora não depende apenas dos conhecimentos e experiências adquiridos anteriormente O que trouxe você até aqui, como contribuidor individual, não necessariamente levará você ao sucesso almejado como empreendedor, pois o elemento mais importante pode não ter sido adquirido – a liderança de pessoas.

A transição de contribuidor individual – técnico ou vendedor – para ser um gestor de pessoas requer novas habilidades para lidar com novos desafios e dificuldades relacionados a trabalhar com pessoas de forma diferente de que conhecia até então — liderar pessoas para gerar resultados dos negócios de seu empreendimento.

Muitos empreendedores ou pretendentes a tal, buscam em sua preparação definitiva cursando um dos inúmeros programas de MBA que os preparariam para gerir seu negócio, porém nem sempre estes cursos apoiam todos os desafios da nova etapa de sua vida.

Nossa experiência aponta para quatro pilares que devem sustentar o desenvolvimento de competências de gestores: o autoconhecimento, que permite a sustentação do pilar do conhecimento do outro, que juntos amarram a capacidade de liderar outras pessoas que juntos às competências de gestão típicas (planejamento, organização, controle, etc) viabilizam a contenção de toda estrutura de educação gerencial.

As competências usadas pela grande maioria das empresas poderiam ser organizadas em quatro grandes domínios: habilidades intrapessoais, interpessoais, de liderança e habilidades funcionais ou de negócios.

As habilidades intrapessoais incorporam aspectos relativos à autoestima, atitude frente a autoridade e autocontrole. As interpessoais incluem: empatia, antecipação das expectativas dos outros e habilidade para usar esta percepção no relacionamento, habilidades funcionais e de negócios típicas da gestão de negócios: estratégia, orçamentos, redução de custos, reuniões, controles, etc.  Finalmente, as habilidades de liderança que podem ser resumidas em atrair, reter e motivar equipes de talento, estabelecer uma visão e inspirar a equipe para atingi-la.

Nesta linha, o que propomos é que todo programa de formação de um novo empreendedor deveria incorporar uma abordagem balanceada e inclusiva dos quatro pilares de competências mencionados: intrapessoais, interpessoais, gestão do negócio e liderança.

Reforce-se o alicerce sustentável destes pilares para qualquer empreendedor, ou seja, o autoconhecimento, para fazer uma autocrítica sobre suas motivações, aspirações e habilidades para realizá-las, pois como diz o ditado, “se você não sabe para onde vai, qualquer estrada o leva até lá.”