Dificuldade em aceitar críticas prejudica a carreira?
Man being scolded by his shadow

“Ter dificuldade em aceitar críticas é um ponto muito ruim? Pode atrapalhar meu desenvolvimento profissional?”.

Roberto Santos, sócio-diretor e fundador da Ateliê RH, responde:

Em pesquisas sobre as características de profissionais considerados como de alto potencial em suas empresas, se destaca um senso de autocrítica e uma busca incessante de “críticas” ou melhor, de sugestões para seu desenvolvimento.

Mesmo sendo muito bem avaliados em seus empregos, esses profissionais seriam os juízes mais rigorosos de si mesmos. Há um contínuo a ser considerado entre essa característica de altos potenciais e aquela de ter dificuldade em aceitar críticas que você menciona em sua consulta.

As pessoas com essa dificuldade, geralmente, são pessoas autoconfiantes e tem autoestima elevada, o que é muito bom — pois lhes confere otimismo, perseverança e assertividade. Porém, de carona com esses pontos positivos, essas pessoas costumam gostar de elogios que reforçam sua autoimagem tão positiva, mas tendem a resistir a críticas — “quem é ele para me fazer esta crítica?”.

Outra reação provável, é a de culpar os outros pelos erros dos quais somos, pelo menos parcialmente, responsáveis. A provável reputação de arrogância, sem dúvida, pode atrapalhar o desenvolvimento profissional, pois não redirecionamos nosso desempenho quando necessário e pior, podemos desmotivar aquelas pessoas que querem nos ajudar com suas críticas e fazer com que elas deixem de nos dar esses “presentes”.

Do outro lado do contínuo citado estão as pessoas autocríticas até em excesso, que sempre acreditam que poderiam ter feito mais e melhor, o que as torna vítimas de sentimentos de culpa e ansiedade. Se por um lado, elas são ávidas por críticas — quanto mais melhor — elas tendem a levar comentários profissionais sobre o desempenho, pelo lado pessoal, tornando-as irritadiças, indecisas e inseguras para enfrentar os desafios profissionais.

Assim, como em tantas, ou a maioria das situações que vivemos no mundo profissional, o “caminho do meio” proposto no Budismo e em inúmeros livros de gestão pessoal, é onde reside a sabedoria para conseguirmos nos desenvolver profissionalmente, com felicidade.

Por Vya Estelar