Um trabalho é como qualquer outro relacionamento em sua vida. Você investe uma quantidade enorme de tempo e emoções, mesmo que você diga que o seu trabalho serve apenas para pagar as contas. Como todos os relacionamentos, você atravessa o ciclo de diversão e excitação e, em seguida, a fase de estagnação e tédio, quando todo o brilho parece simplesmente sumir.

O relatório da Gallup “State of Global Workplace” [em uma tradução livre, O Estado do Trabalho Global] divulgado em 2017 mostra que apenas 27,5% da força de trabalho brasileira é realmente engajada. Na América Latina, o país com o mais alto nível de engajamento é a Colômbia, com 36%.

Esses dados não são nem um pouco animadores, e mostram que muitas pessoas estão longe de serem apaixonadas pelo seu trabalho. Alguns podem preferir buscar novas oportunidades, enquanto outros entram em um ciclo vicioso de reclamações, cuja maior profecia autorrealizável é a melancolia com o trabalho.

Você se sente indiferente e desinteressado, após anos de relacionamento amoroso com seu trabalho ou organização. Então, como você traz de volta a empolgação do passado?

Aqui estão algumas dicas que podem ajudar:

Faça uma lista de agradecimentos

Faça uma lista de tudo o que você ainda ama no seu trabalho e na organização, como hoje e agora. Seja o mais exaustivo possível e coloque tudo no papel. Isso é obrigatório. Circule o “não pode faltar” e sublinhe o “bom se puder ter”. Agora, compare as duas listas e avalie a situação.

Para uma pessoa que tem um membro da família doente, a proximidade do local de trabalho pode ser mais importante do que uma promoção. Ou uma pessoa que tenha filhos, a necessidade de benefícios adicionais pode ser uma alta prioridade. Isso determinará se você está ou não realmente infeliz com o trabalho ou a organização, ou se as comparações com os “outros” afetaram você.

Faça uma lista de frustrações

Anote tudo o que faz você se sentir frustrado e insatisfeito com seu trabalho ou organização. Reconheça, o que realmente está perturbando você. Separe os que estão em seu controle e podem ser alterados daqueles que estão fora de seu controle e influência. Isso ajuda na clareza da questão real que está irritando você. Avalie a situação, pode não ser tão ruim assim.

Concentre-se em ‘por que’ você está aqui.

Com o tempo, como funcionário, você se torna complacente e comete o erro de ficar preso nas tarefas do dia a dia. Você esquece o que o leva a sair da cama todas as manhãs. Você esquece seu verdadeiro propósito. Seu tédio ou inquietação exige algo significativo, o que fez você escolher estar aqui. Pause. Reflita sobre o seu ‘porque’ e reconecte-se com o seu propósito. Veja se você pode combinar seu propósito com o seu trabalho e contribuir, para fazer uma diferença significativa.

Faça pequenas mudanças.

Todos gostam de ser desafiados – são as situações desafiadoras que nos levam ao crescimento. No entanto, todo trabalho vem com seu próprio grau de tarefas chatas e sem inspiração. Pergunte a si mesmo: o que você está fazendo para aprender coisas novas e enfrentar novos desafios?

Encontrar novas oportunidades exige esforços proativos. Procure maneiras pelas quais você pode tornar seu trabalho melhor para si mesmo. Comece a sair da sua zona de conforto. Talvez, reorganizando sua mesa ou espaço, participando de um grupo diferente de pessoas, reavaliando suas interações no trabalho, atualizando suas habilidades. Fale e faça um brainstorming com seu gestor.

Nossa disposição genética de querer evoluir e crescer requer um ambiente desafiador e nem sempre confortável demais. Quando foi a última vez que você procurou a gerência, para examinar sua carreira e as oportunidades na organização? Você já comunicou sua capacidade de fazer mais ou ser mais com eles?

Reavaliar seu trabalho / valor de mercado

Às vezes, é preciso uma entrevista para redescobrir o valor do seu papel e trabalho. Atravesse a jornada desde o primeiro dia até onde você está agora. Avalie sua função e descubra o que você quer de seu trabalho nos próximos 3 ou 5 anos. Revise seu currículo e chegue lá. Uma entrevista irá ajudá-lo a tomar a decisão – de agradecer pelo que você já tem ou decidir que é hora de forjar um novo caminho.

Sim, os relacionamentos ao longo do tempo podem ficar cansados ​​e obsoletos e tudo o que eles precisam para reacender a centelha é o fogo que inspira. Não precisa ser uma separação ou divórcio. Apesar de que a procura por um novo emprego pareça ser a solução lógica, nem sempre, pode ser a resposta certa.

Porque não há trabalho ‘perfeito’. A cultura ideal, o bom salário, as horas fáceis, o equilíbrio entre a vida profissional e a vida familiar e o trabalho estimulante nem sempre estão todos presentes em uma organização. Aprenda a aceitar as coisas que você não pode mudar – mas é importante manter no radar aquelas que você pode.

No final do dia, tudo o que importa é como você se sente e o que você percebe como sua contribuição e o impacto que você deixa para a organização e para si mesmo.