O Dr. Robert Hogan – psicólogo Norte-Americano, especialista em personalidade e liderança, estima que entre 50 e 65% dos chefes são líderes incompetentes e a eles eu apelido de chefe-mala-sem-alça. Se ainda não teve, tenha certeza que ainda vai ter um!

Existem várias modalidades de chefes incompetentes que podem nos tirar do sério, provocar úlceras e descarrilamentos e até pedidos de demissão bastante explosivos e precisamos estar preparados para lidar com eles antes de chutar o pau da barraca, ou melhor, da baia. Afinal, indo para outra empresa, você poderá não se livrar dessa espécie de chefe.

O chefe “sabe-tudo”

Todos apreciamos ter um superior hierárquico que domina sua competência técnica como ninguém, pois isso nos permite aprendermos com ele ou ela, principalmente, quando esta pessoa mostra-se disposta e hábil para nos ensinar. Quando temos esta sorte de encontrar alguém altruísta que se preocupa com o crescimento de seu pessoal, devemos aproveitar ao máximo, tanto para nosso benefício como para a motivação deste líder que se realiza ajudando os outros.

Infelizmente, encontramos chefes que podem saber muito sobre a área técnica que gerenciam, mas não têm aquela disponibilidade e dedicação ao desenvolvimento de outras pessoas. Essas pessoas usam sua competência e pretensiosa sabedoria muito mais para se autovalorizar do que para resolver os problemas e desenvolver sua equipe. A tendência narcisista de se achar a última bolachinha do pacote faz com que digam que já sabiam o que custamos a pesquisar e preparar com árduo trabalho.

O pior é que esses chefes metidos não se limitam a se vangloriar de saber tudo sobre tudo, mas muitas vezes, precisam diminuir os outros para se sobressaírem ainda mais. Apesar de terem sido promovidos a chefes, esses “malas” não abandonaram a postura de técnicos que devem ter desempenhado com sucesso.

A passagem de ser um contribuidor individual para ser um gestor de outras pessoas é uma das mais críticas na carreira em uma organização. O chefe recém-promovido precisa aprender muito rapidamente que seu sucesso não depende mais de ele saber tudo, mas sim de que a somatória de sua equipe saiba o que tenha de ser feito com máxima produtividade e qualidade. Portanto, nesse novo cenário o desafio é transferir o tempo que dedicava a seus problemas técnicos para tempo dedicado a seu pessoal – treinando, apoiando, reconhecendo, redirecionando e inspirando para sua visão estratégica.

Para lidar com esse chefe imaturo e arrogante, precisamos fazer muitas perguntas sobre o que ele diz que já sabia sobre o que preparamos, com o intuito de aprendermos com sua sabedoria suprema. Se nos prepararmos em profundidade sobre o assunto, poderemos mostrar que sempre há algo ele pode aprender com a pesquisa que foi feita.

É compreensível nossa tendência a se revoltar com o chefe ‘sabe-tudo’, mas se mostrarmos interesse em aprender com ele, teremos alguma chance de motivá-lo mais a transferir-nos seus conhecimentos do que a nos humilharmos com sua pretensa superioridade e arrogância e assim estaremos ajudando o chefe a formar alguma alça para segurar sua sobrevivência na carreira gerencial.

Com Vyaestelar