Em um mundo perfeito, um coaching bem executado leva a bons resultados. Todo bom treinador de futebol americano leva seu time ao campeonato nacional, e cada grande coach executivo se torna líder mundial. No mundo real, no entanto, não importa o quão talentoso um coach seja, o resultado de qualquer esforço de coaching depende em grande parte do profissional que o recebe.

“Meu exemplo favorito é o atletismo”, afirma Dr. Robert Hogan, fundador e Chairman da Hogan Assessments. “Dizem que, para cada 10 atletas de classe mundial, definidos em termos de habilidades físicas, apenas um dá certo. A diferença é que eles são aptos a receber coaching. Você pode ter todo o talento do mundo, mas se não der ouvidos ao coaching, simplesmente está acabado”.

Aqui estão quatro maneiras de dizer se alguém está apto a receber coaching ou se é uma causa perdida:

  1. Eles conseguem manter a calma?

Quando confrontados com más notícias, eles mantêm a calma, ou agem de maneira excitável, explosiva, defensiva ou paranoica?

“Pessoas que têm a cabeça fria são muito mais aptas a abraçar o feedback”, revela Tomas Chamorro-Premuzic, CEO da Hogan Assesssments.

  1. Eles aceitam responsabilidade?

“Eles distorcem a realidade a seu favor ou aceitam seus erros?”, indaga Chamorro-Premuzic. “Pessoas que distorcem a realidade a seu favor, obviamente, tem a vantagem de pensar nelas mesmas como mais inteligentes. Elas não assumem nenhuma responsabilidade. Pessoas que aceitam seus erros são mais aptas a receber coaching porque não só dariam ouvidos, mas de fato assumiriam a responsabilidade pelo que acontece.”

  1. Eles são abertos a feedback?

Algumas pessoas são abertas a feedback, enquanto outras resistem, negam terem feito algo errado ou fingem concordar enquanto se mantêm secretamente ressentidos. Ser aberto a feedback torna mais fácil o aproveitamento do coaching. Uma pessoa que se ressente com o feedback negativo provavelmente continuará com seus maus hábitos independente de quantas vezes seja corrigida.

  1. Eles estão dispostos a mudar?

Você pode levar um cavalo até a água, mas não consegue fazê-lo beber. Mudanças são difíceis, por isso, se não há uma disposição da parte do profissional que receberá o coaching, é provável que não haverá nenhum progresso real.

Com Hogan Assessments